Seminário na UnB debate feminismo, campesinato e luta de classes

18 de setembro de 2014
Por Iris Pacheco
Da Página do MST

VEJA MATÉRIA COMPLETA

VEJA FOTOS DO EVENTO

Durante os dias 15 a 17 de setembro, ocorreu na Universidade de Brasília (UnB), no Campus de Planaltina, o Seminário Conexões IV – Feminismo, Campesinato e Luta de Classes.

Organizado pelo grupo de pesquisa Modos de Produção e Antagonismos Sociais (MPAS) junto com movimentos sociais, como o MST, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) e a UnB, o seminário teve sua programação permeada pelo debate sobre feminismo no âmbito da luta de classes e da questão agrária, tanto no Brasil, quanto na América Latina.

Segunda Paola Pereira, integrante do MPAS, o tema é uma demanda histórica dos movimentos sociais que compõem o grupo de pesquisa, e a partir disso se tomou a definição de fazer o espaço voltado para o debate em questão.

“É necessário essas três concepções inter-relacionadas. A gente consegue dialogar e valorizar a diversidade de público e debate que o feminismo é capaz de trazer e saímos fortalecidas, sabendo o tamanho da tarefa e de que concepção de feminismo camponês a gente está falando”, comentou.

A programação diversificada do seminário garantiu espaços de três ações pedagógicas, que foram desde as conferências e exposições temáticas sobre a concepção marxista do feminismo debatido pelas camponesas, até a narrativa de depoimentos individuais das companheiras, que expuseram sua trajetória e referência de luta, do auto reconhecimento e valorização do ser mulher dentro desse processo.

Para Adriana Mezadri, da coordenação nacional do MMC, o seminário cumpriu o papel de divulgação desse debate e fortalece a construção unitária das mulheres camponesas no processo da luta de classes.

“É importante a divulgação desse debate sobre o feminismo camponês e classe popular que a gente vem construindo no decorrer da nossa história, na perspectiva de avanço da luta das mulheres e da classe trabalhadora. Mostrar que o conhecimento popular que a gente vem construindo tem valor científico, nos ajuda avançar na construção, tanto da unidade das mulheres, da luta feminista, quanto na unidade de classe para transformação da sociedade mais justa e igualitária, e fazer essa ruptura com o modelo capitalista e patriarcal que a gente vive”, ressaltou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s